Resumo do filme “Desmundo”

Baseado no romance de Ana Miranda, o  filme “Desmundo” o retrata  a sociedade da época, por volta de Brasil de 1570 – Época da colonização e desbravamento.Neste momento histórico os negros eram “coisas” , os índios eram “sub-humanos”  selvagens a serem “domesticados”; e  as mulheres, eram apenas objetos com a finalidade de servir ao seu marido, em todos os sentidos. Não haviam leis. Quem determinava suas próprias regras eram os que tinham posses, os que montavam vilarejos. A própria Igreja Católica pouco podia interferir nas decisões de cada vila ou de cada senhor. Mas  tentou “apartar” os homens de certos pecados como o de atos incestuosos ,  relações com outros homens e índias . A Igreja mandou que trouxessem órfãs portuguesas para que   casassem com os bandeirantes. Tais mulheres não escolhiam se desejavam se casar ; tão pouco com quem se casariam. No começo do filme uma das personagens diz como  era o casamento da época  “o casar é leve. É viver conforme o querer dos homens” O filme vem conts  a estória de uma dessas moças. A jovem Oribela de Covilhã (Simone Spoladore) é obrigada a casar com Francisco de Albuquerque (Osmar Prado) , um homem rude, típico da sociedade patriarcal portuguesa e exemplo da sociedade que o Brasil estava se tornando.

A partir do casamento  a angústia, o isolamento, o medo do desconhecido, os hábitos rudes do marido e da sogra começam a consumi-la a ponto de produzir na jovem um desejo de fuga  para sua terra natal. Em sua primeira tentativa ela é localizada pelo marido  e depois  levada para casa, ele a acorrenta e agride para “ensina-la” , ela então finge conformar-se mas ao ser liberta foge novamente, desta vez ela procura por Ximeno (Caco Ciocler), um cristão-novo misto de pescador e mascate,por  quem ela nutre certa admiração. Ele a dá abrigo e acabam se envolvendo , eles planejam fugir juntos.  Mas Francisco, que já havia notado a afeição da esposa por Ximeno  vigiou a casa do mascate e os surpreendeu durante a fuga. Eles então duelam e Francisco acaba matando  Ximeno.

O final do filme mostra Oribela dando a luz e depois andando de carruagem, agora conformada com sua “condição de esposa”. Não é um final feliz. Mas dentro de uma sociedade sem qualquer direito fundamental resguardado, principalmente se tratando de uma mulher, este foi  um final melhor do que  ela provavelmente levaria se fosse uma história real .

Setembro 29, 2012. Trabalhos Estácio de Sá. 6 comentários.

Tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais

 “A regra da igualdade não consiste senão em quinhoar desigualmente aos desiguais, na medida em que se desigualam. Nesta desigualdade social, proporcionada à desigualdade natural, é que se acha a verdadeira lei da igualdade… Tratar com desigualdade a iguais, ou a desiguais com igualdade, seria desigualdade flagrante, e não igualdade real.”

Rui Barbosa

Algumas medidas foram tomadas   buscando tornar acessível o direito aos grupos minoritários, que durante o processo histórico e cultural do Brasil foram  calados e tiveram seus direitos fundamentais violados. Entre essas medidas, chamadas de ações afirmativas e as as políticas públicas estão as cotas raciais e sociais, cotas para portadores de deficiências nas empresas, e as leis conhecidas como “leis das minorias” que nada mais são o Estado fazendo uso de seus instrumentos legais para tentar minimizar os danos históricos causados a esses grupos que durante tanto tempo foi negligenciado pelo Poder Estatal.

Embora muito se discuta, acreditando ser assunto no Brasil sobre ações afirmativas, podemos citar alguns exemplos não recentes de adoção, vejamos:

A. Decreto-Lei 5.452/43 (CLT), que prevê, em seu art. 354, cota de dois terços de brasileiros para empregados de empresas individuais ou coletivas.

B. Decreto-Lei 5.452/43 (CLT), que estabelece, em seu art. 373-A, a adoção de políticas destinadas a corrigir as distorções responsáveis pela desigualdade de direitos entre homens e mulheres.

 C. Lei 8.112/90, que prescreve, em art. 5º, § 2º, cotas de até 20% para os portadores de deficiências no serviço público civil da união.

D. Lei 8.213/91, que fixou, em seu art. 93, cotas para os portadores de deficiência no setor privado.

E. Lei 8.666/93, que preceitua, em art. 24, inc. XX, a inexigibilidade de licitação para contratação de associações filantrópicas de portadores de deficiência.

F. Lei 9.504/97, que preconiza, em seu art. 10, § 2º, cotas para mulheres nas candidaturas partidárias

Leia mais: http://jus.com.br/revista/texto/6238/acoes-afirmativas-e-politica-de-cotas-sao-expressoes-sinonimas#ixzz27ozDOksS

Setembro 29, 2012. Ações afirmativas no Brasil. Deixe um comentário.

Direitos da mulher Segundo a ONU

Lei n° 11.340,a chamada Lei Maria da Penha foi feita por iniciativa popular, mas o Brasil sofreu grande pressão internacional para que essa lei fosse aprovada. 

Setembro 29, 2012. Direitos específicos dos grupos segundo a ONU. Deixe um comentário.

Estatuto da criança e do adolescente

 

Setembro 29, 2012. vídeos Leis brasileiras para as minorias. Deixe um comentário.

Estatuto do idoso Lei nº 10.741/03

Setembro 29, 2012. vídeos Leis brasileiras para as minorias. Deixe um comentário.

Não existem direitos humanos mais, ou menos importantes.

O valor da dignidade humana, incorporado pela Declaração Universal
de 1948, constitui o norte e o lastro ético dos demais instrumentos internacionais de proteção dos direitos humanos.
Além de afirmar a universalidade dos direitos humanos, a Declaração Universal acolhe a ideia da indivisibilidade dos direitos humanos, a partir de uma visão integral de direitos.
A garantia dos direitos civis e políticos é condição para a observância dos direitos sociais,econômicos e culturais e vice versa.Quando um deles é violado, os demais também o são.
Os direitos humanos compõem, assim, uma unidade indivisível, interdependente e inter-relacionada, capaz de conjugar o catálogo de direitos civis e políticos com o catálogo de
direitos sociais, econômicos e culturais.

(mais…)

Setembro 26, 2012. vídeos/ textos. Deixe um comentário.

Direitos Humanos

“Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade”.

De Acordo com a ONU

Um processo lento e sangrento, durante um longo período da história fez com que a humanidade dissesse: Chega! Não se pode mais admitir que tais atrocidades se repitam. E mesmo que todos , de forma inconsciente soubessem os direitos do homem,a partir daquele dia eles estavam positivados,assegurados pela lei e não poderiam mais ser ignorados. Passando a ser chamados DIREITOS HUMANOS.

Setembro 25, 2012. vídeos/ textos. Deixe um comentário.

Direitos Humanos

Sob a Ótica de 5 Estudantes

ONU Brasil

Sob a Ótica de 5 Estudantes